quarta-feira, 26 de setembro de 2007

FIHQ

Pessoalmente olhando os trabalhos aceitos para as mostras competitivas achei de singular desqualificação... poucas foram as obras que olhei e fiquei interessado ou surpreendido.
Apesar da maioria das coisas boas que serem as estrangeiras, sou contra a internacionalização do festival em pró da nacionalização, da valorização do trabalho feito aqui.
Não sei como funciona a seleção destes mas acho q muita coisa boa foi deixada de fora seguindo que critério não sei.
Mas pelo menos ja há um espaço alimentando a sede pela nona arte o q eh bom para abrir os olhos de muitos... tb há oficinas e palestras para guiar ou ajudar na formaçao de muitos q disso pretendem viver.
É isso .... acho q devia ser nacional mas fico feliz q exista mesmo do jeito que eh. pretendo frequenta-lo nos proximos anos e ate participar com oficinas e trabalhos se estes forem aceitos.

HQ precisa de mais disto

Um comentário:

Rafaela disse...

A internacionalização do evento é mais positiva do que negativa, I.A., porque dá visibilidade às produções locais, da região como um todo e, principalmente, aumenta o interesse por esse tipo de arte.

As pessoas voltam, momentaneamente, os olhos para o evento, caem na graça da nona arte e alguém pode se interessar em produzir.

Quanto aos trabalhos, o chamado de internacionais faz com que se crie um parâmetro de qualidade a ser perseguido. Mas os participantes podem e devem ocupar cada vez mais espaço neste evento, vide a Festa Literária Internacional de Parati - FLIP, evento de altíssimo nível e contempla escritores nacionais e internacionais.

Faça o seu e apareça mostrando o que considera realmente bom e qualificado na próxima edição. Tenho fé em você.